25/06/2012

Vida que nos devora

Por Aline Diedrich

Carro conversível. Os cabelos balançavam com o vento forte. Frio. Realmente frio. Pisou firme no acelerador, aumentou o volume do rádio e deixou o tempo voar. Tempo que voa. Tempo que passa rápido demais, mas não tão acelerado quanto ela, com a trança desmanchada, os olhos contornados e os lábios vermelhos da cor dos óculos.

Espécie mochileira. Moradora do universo. E mesmo por gostar de coisa urbana e um monte de bagulho, a sensação daquela estrada cercada por árvores era como encontrar um oásis em sua vida. Correr sempre. Correr para fugir, perder-se e sentir-se para quebrar as barreiras imaginárias dos ponteiros do relógio e de um calendário de padaria. De padaria carregava também os sonhos para provar que seu jeito amargo era só mais um jeito de esconder os doces, e outros tantos gostos que dependiam da língua que os provasse. E dos olhos.

Não gostava de dormir. Apneia do sono. Gostava mesmo era de manter-se acordada e bem atenta, ser como era, colecionar miniaturas e meias. Estranho pensar em meias, decerto vinha daí seu “pé quente”, também conhecido como sorte. E preferia acima de tudo o novo. Paixão incontrolável por qualquer novidade, boa ou ruim.

Boa naquele momento, porque a órbita estava certa e o tempo colaborou no cronometro natural do tal destino. Freou. Puxou também o freio de mão e deixou as marcas dos pneus no chão. Passou as mãos pelo rosto, manchando em volta da boca de batom, na tentativa frustrada de ajeitar os cabelos.

Observou a bicicleta caída no mato. E sem culpa e nenhuma desculpa por certo alguém ter errado a pista e desalinhado todo o resto. Alguém certo. Ele surgiu por entre as árvores, arranhado e com um jeito daqueles que dispensa explicação.

Olhou para cima. Respirou devagar finalmente. E o céu... O céu parecia tanto com ela. Parecia engolir todo o resto.

Engolir o ar. Devorar a vida. Cuspir sobre os medos.


33 comentários:

  1. "Engolir o ar. Devorar a vida. Cuspir sobre os medos"

    Poucos realmente conseguem... eu ainda estou tentando rs

    Ótimo post, parabéns!

    Bjs,
    Danilo Moreira
    http://blogpontotres.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Que encanto. Olha só que coincidência. Eu estava falando com um menino no celular sobre o fato de não gostar de dormir e me aparece isso... "Não gostava de dormir. Apneia do sono. Gostava mesmo era de manter-se acordada e bem atenta, ser como era, colecionar miniaturas e meias. Estranho pensar em meias, decerto vinha daí seu “pé quente”, também conhecido como sorte. E preferia acima de tudo o novo. Paixão incontrolável por qualquer novidade, boa ou ruim". Eu li esse trecho para ele, rsrsrsr

    ResponderExcluir
  3. diferente da protagonista da história, adoro dormir... dizem q é perda de tempo, q quem dorme demais perde 1/3 da vida... mas acho tão bom!

    ResponderExcluir
  4. bom texto, falta de sono parece ser uma marca dessa geração

    ResponderExcluir
  5. Caralho, adorei!
    Sobretudo os termos "Espécie mochileira, moradora do universo" combinadas!
    Lindo.
    Beijo.

    _____________________________________
    http://criadoescrito.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. legal o texto...gostei do modo de escrever...

    ResponderExcluir
  7. Oi. Gostei do blog e também dos posts. Amei seu jeito de descrever a vida. Parabéns e sucesso. Estou seguindo-a. Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Obrigado, por alguns minutos você conseguiu me levar para um mundo paralelo, eu viajei nessa pequena historia. muito bom Aline, você é uma ótima escritora continue assim! um abraço

    ResponderExcluir
  9. Aline :)
    Ficou muito bom seu texto *-*
    Ficou foda!

    Meus parabéns
    Beijão e cuide-se

    RIMAS DO PRETO

    ResponderExcluir
  10. Aline, gostei muito da sua escrita, coloquei seu blog nos favoritos.

    Parabens!

    ResponderExcluir
  11. Lindo, terminou com chave de ouro, gosto de sua escrita, é muito boa..

    ResponderExcluir
  12. Vc escreve muito bem!! Adorei o texto!
    E que fim heim!!

    ResponderExcluir
  13. Sempre foi meu sonho ter um conversível e andar terrivelmente rápido numa dessas auto-estradas da vida, nessas infinitas highways.

    Um belo conto para um belo de fim de tarde.

    Um beijo, Misunderstood.

    ResponderExcluir
  14. Ela é mais rápida que o tempo...o poder e a perspicácia estavam com ela e pertenciam a ela...

    ResponderExcluir
  15. Tô nessa "E preferia acima de tudo o novo. Paixão incontrolável por qualquer novidade, boa ou ruim."
    Deixei o medo de lado, o que paralisa, pra lamber o medo que me arrepia, que me instiga, que deixa curioso. Pegar o carro, desaparecer, acordar, correr, ventar o cérebro. Faço isso na cabeça. Faço na mente.

    ResponderExcluir
  16. Muito massa!!!

    www.conecteworld.tk

    ResponderExcluir
  17. Olá Aline !
    É a minha primeira vez no seu blog, e amei tudo por aqui. Já estou seguindo (:

    Beijo, Ana Flávia M.
    @AnaMedeiros_
    http://mariapano.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. Poxa, conheci seu blog agora e já me encantei! Seus textos são ótimos, você escreve muito bem Aline.
    Enfim, gostei tanto que já estou seguindo. Até mais.
    Ah, se puder dê uma passadinha em meu blog também.
    http://daquioitentaanos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  19. Oi flor..
    tenho um selinho de presente para você, em meu blog.
    Te espero lá.
    Beijinhos e sucesso!

    http://juliana-editions.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Olá :)

    #adorei (como sempre, hehehe)
    E o final, incrivel...

    Beijinhos

    ---
    www.jehjeh.com

    ResponderExcluir
  21. Adorei o texto! :)

    Amei o teu blog... Parabéns!

    Beijo

    ResponderExcluir
  22. Gostei bastante do teu texto, Aline, e me identifiquei tanto com ele no comecinho! Hahaha. :)

    :*

    http://hey-london.net

    ResponderExcluir
  23. Oi Aline, adorei o texto!
    Também curti a disposição das poestagens na organização do blog!

    Beijos

    http://blogemsuacompanhia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  24. quando vem o próximo capítulo???

    ResponderExcluir
  25. Belíssimo texto! E a história, apesar de curta, é realmente envolvente!
    Me identifiquei com o início e essa vontade de sair por aí dirigindo feito louca pelas estradas da vida, que a gente não conhece e não sabe onde vai dar...
    Parabéns!
    Vc escreve muito bem! =D
    Abraços!

    ResponderExcluir
  26. muito bom o texto....leitura agradável....

    ResponderExcluir
  27. Adorei o blog, muito lindo, amei tudo. Parabéns mesmo, vou sempre estar aqui (:

    ontendency.blogspot.com

    ResponderExcluir
  28. Já li e reli esse seu texto, gosto pra caramba...

    ResponderExcluir
  29. Uma vez eu li uma frase que dizia : “Aproveite enquanto o vento está em seu rosto, porque quando menos perceber...Já foi”.
    Não me lembro bem de quem é essa frase, mas é algo que eu guardei dentro de mim e é total verdade.
    Temos que aproveitar o agora, para podermos contar histórias...Aproveitar a vida, vive-la da melhor maneira possível.
    Não temos que deixar nada para amanhã, temos que fazer o que nos dá na telha...Aproveitar tudo que a vida pode proporcionar.
    Definir a palavra vida.
    Enfim, excelente texto como sempre.
    Adoro tuas palavras!

    ResponderExcluir
  30. você tem um texto melhor que o outro parabéns
    http://snestalgia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir