08/05/2012

Cupido, cupins e afins


Por Aline Diedrich

Nem era questão de ser certo ou errado. Mas de simplesmente ser.

Um carro velho que emitia muito monóxido de carbono. Velocidade abaixo do permitido naquela via rápida. Ainda ouvia fitas de um velho rock and roll. Óculos escuros para evitar o sol de frente no final da tarde. Cabelos que balançavam com o vento gelado do inverno. Finalmente noite para libertar a energia acumulada o dia todo como se fosse bateria recarregável. A pista, uma boca bem desenhada, olhar sedutor e qualquer corpo bastavam.

Um estúpido - como diria a música - cupido que causava buracos feito cupins na madeira. E uma paixão por alguém depois por algo, para preencher aqueles espaços vazios uma vez por semana. Dez lances de flechas erradas. Mais de mil recordações.

Sintonia fina. Garçom, por favor, dois copos de atitude. As luzes cansavam a visão. O barulho, antes música, depois apenas e ensurdecedor barulho que irritava os tímpanos. Nada tão bonito que não pudesse esquecer, exceto seus sapatos de salto comprados especialmente para ocasiões como aquela, então levados em mãos e largados no mesmo carro – calhambeque – num momento de completo delírio causado pelo etílico das bebidas. Achou-se Cinderela. E foi na busca por achar-se que tantas vezes se perdeu.

Cinderela de profundas olheiras. Cara borrada pela maquiagem comprada na farmácia. Corpo suado. Enfim, só. De frente para ela mesma num reflexo confuso que sugeria ser mais bonito do que realmente era. As fotos espalhadas pelas paredes pareciam sorrir. Pareciam. Acessórios de camelô. Decoração barata. Moradora de apartamento de um canto pobre da cidade.

Ainda assim habitante do mundo e um mundo que habitava nela. Como todo mundo. Amiga dos versos, das poesias tortas, das músicas dançantes, dos cupcakes e dos gostos amargos do amanhecer. Passagem pelo hospício. Mas para quem foi dado o direito de julgar? E como chamar alguém de louco na era do politicamente correto? Pensamentos viraram questionamentos que careciam de respostas para todo o sempre. Despiu-se. Despiu a alma também como um atentado violento ao pudor.

__ Louca. Crazy. Crazy. Crazy!

Dizia para si mesma como tapa na cara em frente o espelho.

Transtorno obsessivo compulsivo foi o último diagnóstico. TOC. Toque. Vícios? Possuía muitos. Principalmente os de linguagem.

__ Perdoe-me pelos mal conjugados verbos.


Desculpou-se em oração.

E depois, sem fôlego para mais uma dança e cansada por não conseguir parar de pensar, deitou-se. Adormeceu. Sonhou e encontrou um mundo distante do seu. Mesmo assim eloquente. E o relógio mais compulsivo e transtornado então despertou.

E despertou. E despertou...

39 comentários:

  1. perfeito!! Um dos melhores contos seus!
    http://oicarolina.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  2. Posso dizer que me identifiquei muito com a personagem? Então.
    Fazia tempo que eu não vinha aqui. Gostei desse novo layout. E seus textos continuam intensos, reflexivos - de certa forma - e com um "quê" de loucura que só os escritores entendem.
    Beijos!
    http://miasodre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Seus contos são muito interessantes. Gostei, particularmente desse. Acho que muitas garotas tem um pouquinho dessa personagem dentro de si.

    ResponderExcluir
  4. Como não estou com tempo, vou ser bem sincera, não pude parar pra ler e dar a exclusiva atenção que textos como esses exigem. Mas assim que eu tiver eu volto e leio.

    Beijos !

    http://pontoecruzbordado.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Achei lindo, em vários níveis, e em um não menos importante é ver o português perfeito!
    É um alívio gigantesco ver um texto bem escrito nos dias de hoje!

    ResponderExcluir
  6. Sempre com uma bela e reflexiva escrita, gosto do seus contos.

    ResponderExcluir
  7. menina vc já pensou em escrever um livro de contos?

    Beijos,

    Vivi.

    ResponderExcluir
  8. Cara seus blog é perfeito
    Gostei muito!!!
    Queria ter um talento como o seu..:D
    Eu também tenho um blog, mas é sobre reflexões:
    http://www.libertandoogenio.blogspot.com.br/

    Demais seu Texto!

    Grato Desde Já

    ResponderExcluir
  9. já disse um ou duas vezes, mas tu deveria escrever um livro, ou vários

    ResponderExcluir
  10. adorei... parecia q eu via uma pin-up na minha frente rsrs

    bjkssss

    ResponderExcluir
  11. Olá :)

    Adorei! Doidinha como (quase) todas nós mulheres, hehehe

    Beijinhos

    ---
    www.jehjeh.com

    ResponderExcluir
  12. Um dos melhores textos que li aqui *--*

    Beijos e tenha um excelente final de semana

    Cuide-se
    RIMAS DO PRETO

    ResponderExcluir
  13. simples, interessante, que prende que encanta
    boa sorte. beijo
    mihrib.blogspot.com.br

    passa lá, ah estou seguindo

    ResponderExcluir
  14. Seus textos estão, quase sempre, acima do meu poder de interpretação, pelo menos, acima daquela interpretação fria e definitiva. Assusta até postar um comentário em que demonstro ter entendido tudo incrivelmente do avesso que está escrito. Gosto da subjetividade deles, e de ter a sensação de que os sinto, ao invés de lê-los. Mas acho que esse eu cheguei um pouco mais perto de entender. Por exemplo, eu sempre procuro me perder, na oportunidade de quando voltar a me encontrar - quem sabe largada em algum canto da boate - eu esteja uma pessoa melhor. A bagunça, representada nesse texto, não faz eu me sentir bem, apenas me tira o cargo de ser eu mesma. Qualquer lembrança, qualquer problema pendente, rancor, são esquecidos. É apenas momentâneo, e ainda tento fortemente descobrir se vale a pena.

    Só não voltei mais vezes por que sou uma inútil, que nem ao próprio blog dá atenção. Mas este aqui já está na lista desde sempre.

    ResponderExcluir
  15. Adorei o seu texto, escreves muito bem!

    ResponderExcluir
  16. Ahh já tinha lido e comentado nos seus textos, gosto bastante de sua escrita. Vá em frente!

    ResponderExcluir
  17. Parabéns pelo blog.. muito bom.. gostei muito!

    Entre se gostar clique em curti e deixe um comentario!

    Abraço,
    PREGUIÇA ALHEIA.
    ___________________________
    http://www.preguicaalheia.com.br

    ResponderExcluir
  18. Me lembra um pouco alguém...Alguém tipo eu, tipo vários eu's. Inconformados, duvidosos, confusos, barulhentos. Eu's que gritam e eu's que calam. Eu's que se abandonam em busca de um outro eu em um outro alguém para responder suas perguntas.

    Tá isso foi meio Confusético.

    Chega disso.

    Ótimo texto.

    Bjos. Misunderstood.

    ResponderExcluir
  19. És muito criativa, texto bem trabalhado. Parabéns. Bjo

    ResponderExcluir
  20. Lady Aline
    Muito bom viu!
    Cada vez melhor, afs, não poderei
    dizer isto, pois afinal de contas
    seus outros textos não são piores
    ...pelo contrário, ahn? fiquei confuso, também não posso dizer
    que é melhor... afs!
    A Lady e seu imenso talento me deixou até confuso com as palavras... Lady Lady!
    ...rsrs ...

    ...Foi uma brincadeira...
    Gosto muito de sua forma de escrever ... MUITO MUITO agradável!
    Deixei convite para ti no facebook

    Obrigado pela visita ao "Silence"
    és sempre muito bem vinda por lá!
    ...

    Estarei por aqui em breve
    Tenha uma bela noite
    Cuide-se!

    ResponderExcluir
  21. maravilhoso como sempre, não tem um só conto seu que não consiga prender
    a atenção do leitor por tamanha qualidade, parabéns!

    ResponderExcluir
  22. Gostei,principalmente do começo com os elementos de época que foram citados.Ótimo texto e ótimo blog.
    http://petalasdeliberdade.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  23. Belissimo texto! É deliciosa a forma como descreves os detalhes!!!


    Beijos,
    AL

    ResponderExcluir
  24. Acho que muitas pessoas carregam um pouco da personagem que você criou. Esse mundo distorcido e louco, um pouco confuso, mas que de uma certa forma é o nosso lugar. O nosso interior. Eu arrisco dizer, que sou assim um pouco, talvez ainda mais confusa.

    Adorei esse texto, como todos os outros. Você deveria escrever um livro logo, sério mesmo Aline.

    Beijos,
    Monique <3
    http://www.secretsofalittlegirl.com/

    ResponderExcluir
  25. Gosto do seu estilo, de como apenas sugere os personagens através de traços e atitudes sem desnudá-los, deixando sempre tudo em suspenso... muito bacana seus textos, Aline.. Aproveito para agradecer o comentário que deixou em meu blog...

    Ed. Luís

    ResponderExcluir
  26. Nossa perfeito, adorei essa postagem. Deu pra viajar no seu conto.

    ResponderExcluir
  27. Escrever é um dom, e certamente você possui esse dom. Invista nisso, seus textos (e você também, claro) merecem toda atenção.

    ResponderExcluir
  28. Aline, me identifiquei com esse post, com a personagem louca louca louca.
    Ela é tão... tão... eu às vezes.
    Enlouqueço e quero sair assim, a toda pela estrada.
    Ah, nem sei o que comentar, na verdade. Essas suas palavras me despertaram tantas sensações e me fizeram pensar em tantas coisas.
    Digo apenas que adorei.

    Sacudindo Palavras

    ResponderExcluir
  29. Amiga, este es mi último mensaje desde esta tierra.
    El día 30 estare en mi casa en Cuba,

    no te olvidaré,

    Muchos besiños,


    Visita mi blog, deje un mensaje para todos mis amigos .

    ResponderExcluir
  30. Aaah, ela se parece comigo. ;) Loucura, internacoes.. So o diagnostico e diferente HA-HA ..e tambem tirando o alcool -odeio-, nem poderia(medicamentos) !! meus vicios sao outros. I'm a junkie. O.o Legal esta personagem. =)

    ResponderExcluir
  31. Eu me amarrei, eu gosto de post inteligente.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  32. Conto perfeito, escreva um livro com eles, que fará sucesso..

    ResponderExcluir