05/01/2012

O relógio que não contava as horas

Por Aline Diedrich

Cidade grande. Prédio do centro. Carros que não paravam de buzinar e nem respeitavam o dia do rodízio. “Quem faz rodízio é pizzaria” dizia ele, “e de pizza o País já está saturado”, enquanto observava da janela do apartamento (apertamento) o movimento na rua, o empurra-empurra de pessoas na calçada, e até mesmo as crianças que brincavam na pracinha ali perto.

Queria sair. Caminhar no meio da baderna. Ser um pouco baderneiro. Se sentir artista de rua e ganhar dinheiro no chapéu. Mas nada disso seria possível, porque ainda era visto como um ser de outro mundo, e assustava gente por onde passava: se tratava da pessoa que andava para trás.

O mais esquisito de tudo, acredite caro leitor, é que seu corpo era perfeito (perfeito dentro dos padrões): fotogênico não tinha igual, bem vestido, voz estonteante e se expressava como ninguém. De que adiantava ser tão bonito se não poderiam ver tamanha beleza, exceto alguns amigos próximos e seus familiares?

Tentava, sozinho, se impulsionar. Se jogar para frente sem ajuda dos outros. Mas nada! Sempre voltava ao ponto de partida como se uma força maior e surreal o puxasse pelos braços – ou pés, não se sabe explicar – e o fizesse ficar parado, sentado e elegante diante um espelho bem grande.

Conta a lenda que não quis mais alimentar-se, no entanto, passou a viver de ar e logo desistiu de seu propósito mal sucedido. Foi nesta noite que adormeceu ali mesmo e quando acordou se sentiu tão feio. Desarrumado. Despenteado. Fedorento. Possuía a pior das anomalias: não sabia andar para frente.

Então entendeu: precisava se desprender de preconceitos, enxergar o belo que habita por trás do físico e conhecer a alma. Precisava evoluir para deixar de ser como aquele relógio velho e enferrujado que apenas ocupava espaço na parede da sala.

Já havia passado da hora de ajustar os ponteiros.

38 comentários:

  1. Li várias vezes o texto bem bacana....
    Entendi que as pessoas devem aceitá-las como são e não como as outras pessoas os vêem.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. ótimo blog
    ta de parabens

    http://dichavados.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Adorei o post e o blog. o que mais adorei foi a imagem de fundo!

    comenta la?

    http://errosxacertos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Amei, amei esse texto. Realmente, é preciso se desprender do exterior para poder se conectar com o interior e conseguir, assim, andar para a frente. Há tantas pessoas andando para trás, e pessoas que parecem ter tudo exteriormente, mas que simplesmente não conseguem ir para a frente.
    Bjo.

    http://miasodre.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Que lindo *-* Muito boa a ideia do texto, que liga tudo junto em poucas linhas. Gostei muito! =D

    http://iampurplepineapple.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. sublime e singelo..com um leve toque de acidez !

    gostei !

    Indo
    http://universovonserran.blogspot.com
    blog premiado, com conto publicado


    conheça tambêm nosso grupo para divulgar
    blogs no facebook :

    http://www.facebook.com/groups/274247739286217/

    ResponderExcluir
  8. Acho que esta na hora de ajustar os ponteiros da minha vida taambém...

    Adorei o post :)
    Desejo um 2012 excelente pra ti

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Muito interessante. Gostei do modo com que você jogou com as palavras no início.

    ResponderExcluir
  10. expressa bem a realidade, muito bom

    http://rocknrollpost.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Ameei, fico besta a cada dia de como vc escreve bem. Já fez um livro?
    http://oicarolina.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  12. Adoro textos matafóricos! me faz pensar em mais possibilidades para uma coisa só!

    ResponderExcluir
  13. Muito bem feito o texto com uma dose ironica sobre este assunto o tempo, e o tempo que passamos trancado em coisas banais e do dia a dia. Muito legal parabens

    ResponderExcluir
  14. Confesso que apertei por acidente a tecla de seu nome e fui redirecionado para o blog. Antes, quis dar uma olhadinha no texto mais recente e não deu para parar de ler '-' Ele foi tão bem escrito que é impossível passar por ele, bater os olhos e não querer continuar se aprofundando no assunto. Parabéns mesmo!

    ResponderExcluir
  15. Adorei.
    DÊ A SUA OPINIÃO:
    http://seilaasvezesirrita.blogspot.com/2012/01/o-dia-em-que-fernanda-resolveu-voar.html

    ResponderExcluir
  16. Belo e bem escrita esta crônica... parabéns... :)

    ResponderExcluir
  17. aaah, eu já comentei,a mas como não vou passar calote só lhe parabenizo!
    http://oicarolina.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  18. não podemos nos intimidar, temos que viver *-*
    até a próxima :*

    http://chooseelas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  19. Blog interessante, parabéns.
    http://quatro77estacoes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Obrigado pela visita...volte sempre !

    beijo

    ResponderExcluir
  21. Um choque de realidade, ao mesmo tempo com um tom surrealista muito bem escrito =D


    Comenta la meu blog por favor?
    www.luliskd.blogspot.com

    ResponderExcluir
  22. Bela história...
    www.cuchila.blogsot.com

    ResponderExcluir
  23. Já comentei nesse post...mas para não dar calote rrsrs, parabéns!

    http://quatro77estacoes.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  24. Olá :)

    Totalmente real, e lindo...
    Como todos os posts daqui do blogue, hehehe

    Beijinhos

    ---
    www.jehjeh.com

    ResponderExcluir
  25. Oi, tudo bom?
    Bem legal teu blog. Layout bem clean, textos/fotos bem objetivos. Gostei. E vou recomendar pras minhas amigas de Cercadinho, ok? Pra que elas venham aqui visitar teu blog.
    Não sabe o que é O Cercadinho?
    Nos visita lá então. Acho que pode rolar uma interação bem legal.
    www.o-cercadinho.blogspot.com
    Beijos,
    Wanderlei

    ResponderExcluir
  26. Pelo menos seu personagem se libertou.
    Muitas pessoas não percebem e continuam sem saber andar para frente.
    Parabéns pelo texto,muito bom mesmo!

    ResponderExcluir
  27. belo texto
    trocadilhos que mostram o que realmente importa

    ResponderExcluir
  28. Que texto lindo!! Gente, gostei muito. O tempo não para!!

    ResponderExcluir
  29. Infelizmente muita gente ainda vive de aparências...ah se todos se desprendessem do exterior e valorizassem mais a pessoa, mas antes de tudo investissem no Ser...esse é o grande lance...Abraço...parabéns pela postagem.
    http://alternativassonoras.blogspot.com/
    http://blogturmadalim.blogspot.com/
    Seguindo aqui.

    ResponderExcluir
  30. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  31. Tudo começa a desandar quando nós mesmos não nos aceitamos né? O primeiro passo pra ser feliz é termos orgulho do que somos, aí naturalmente as pessoas começam a enxergar como a gt se vê. Eu acho uma grande besteira a gt negligengiar a honestidade conosco mesmos para sucumbir a vontade e as impressões que os outros formam de nós. Afinal, nós quem deveriamos nos inventar, não os outros.

    __
    Bem, Aline, eu vim retribuir a visita e agradecer sua contribuição lá no meu blog (Abrindo a Cabeça). Obrigada. ^^

    0/

    ResponderExcluir
  32. Acho que vou visitar mais vezes esse blog. Primeira vez que visito-o e já me encantei. Mas um excelente texto que leio aqui. Parabéns! Beijinhos

    http://minrareverdensm.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  33. curti. "enxergar o belo que habita por trás do físico e conhecer a alma" é o que muitas pessoas por aí deveriam fazer. Todo mundo quer seguir um padrão de beleza, mas esquecem daquilo que são por dentro, e não enxergam a beleza interior de outras pessoas, suas qualidades e seus sentimentos...

    dayaragermano.blogspot.com

    ResponderExcluir
  34. Olá, eu gostei muito desse post e do seu blog,já estou seguindo. voltarei mais vezes aqui,quando eu puder.
    http://amigasemgrupo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  35. lembra muito Bejamin Button, esses relógios são surreais.

    ResponderExcluir
  36. Ele era um Legolas então?
    Ou meu coelhinho da Páscoa?

    ResponderExcluir